http://igrejaevida.com.br/modules/mod_image_show_gk4/cache/50 anos IPNCEgk-is-89.jpglink
http://igrejaevida.com.br/modules/mod_image_show_gk4/cache/TV IPNCE_banner_sitegk-is-89.jpglink
http://igrejaevida.com.br/modules/mod_image_show_gk4/cache/Encontro Jovemgk-is-89.jpglink
http://igrejaevida.com.br/modules/mod_image_show_gk4/cache/Culto_comunitrio_okgk-is-89.jpglink
«
»
Loading…

Treinamento - Igreja Presbiteriana de Novo Campos Elísios

Imprimir

Aula 3 Análise Literária

 

EXEGESE

Ele lhes disse: Por isso, todo mestre da lei instruído quanto ao Reino dos céus é como o dono de uma casa que tira do seu tesouro coisas novas e coisas velhas”.

Mateus 13.52 (NVI)

 

Exercício: Leia a epístola de Judas e responda as seguintes perguntas?

ü  Qual o motivo da epístola?

[...] era necessário escrever-lhes insistindo que batalhassem pela fé de uma vez por todas confiada aos santos.” 3b  

ü  Por que esse é o motivo?

Pois certos homens, cuja condenação já estava sentenciada há muito tempo, infiltraram-se dissimuladamente no meio de vocês. Estes são ímpios, e transformam a graça de nosso Deus em libertinagem e negam Jesus Cristo, nosso único Soberano e Senhor.4

ü  Qual ou quais era(m) o(s) resultado(s) desse(s) ensino(s) errado(s)?

Judas passa a usar exemplos a fim de ilustrar os resultados causados pelos ensinos errados. Os dois primeiros grupos de exemplos são tirados da história de Israel no Antigo Testamento. Primeiro ele usa grupos como exemplo: Israel, anjos e Sodoma e Gomorra (5-7). Depois ele usa indivíduos: Caim, Corá e Balaão (11). Há uma relação entre os grupos e pessoas que aponta para os resultados dos ensinos errados: Israel/Caim: incredulidade; anjos/Corá: rebelião; Sodoma e Gomorra/Balaão: imoralidade. Assim, podemos entender que os resultados desses ensinos errados eram: incredulidade, rebelião e imoralidade.

 

2. ANÁLISE LITERÁRIA

A parte mais importante na exegese, no entanto, e o contexto literário. Este surge do sentido das palavras dentro do texto, ou seja, dentro das frases e as frases, que por sua vez tem seu significado em relação as frases anteriores e posteriores. As palavras “crer” e “vida” no Evangelho de João são exemplos desse contexto. João declara explicitamente o seu objetivo ao escrever o Evangelho: “Jesus realizou na presença dos seus discípulos muitos outros sinais milagrosos, que não estão registrados neste livro. Mas estes foram escritos para que vocês creiam que Jesus e o Cristo, o Filho de Deus e, crendo, tenham vida em seu nome” (Jo 20.30-31). Com essa afirmação podemos entender que as palavras e praticas mais importantes deste Evangelho são “crer” e “vida”. O Dicionário Michaelis On-Line diz que crer é: acreditar, ter como verdadeiro; ter fé.[1] Porém, em João, “crer” é apresentado no decorrer do Evangelho como um processo relacional: crer e continuar a crer através da relação com Jesus, e por isso, “continuar a crer” não deve ser compreendido somente no sentido longitudinal, mas também no sentido de intensidade e clareza quanto ao objeto da fé,[2] isto e, o Senhor Jesus. Essa crença é apresentada durante todo o Evangelho. Logo no inicio do Evangelho as testemunhas das palavras e obras de Jesus são desafiadas a crer em Jesus. Alguns respondem positivamente (e.g. 1.32-51; 2.11, 23 e 3.1) e outros negativamente (e.g. 5.16, 44; 7.48). Sempre há o desafio de crer. O auge desse desafio acontece com Tome (20.19-23), que só crê depois de ver e tocar o Senhor (20.24-29). Diante disso ha uma importante exclamação do Senhor: “Por que me viu, você creu? Felizes os que não viram e creram” (20.29). Esse e o desafio deixado pelo evangelista aos seus leitores: devem crer sem ver. Mas como farão isso, se ate alguns que viram não creram? A resposta esta na oração do Senhor: “Minha oração não e apenas por eles. Rogo também por aqueles que crerão em mim, por meio da mensagem deles” (17.20). Essa “mensagem deles’ e atribuída aos apóstolos em 20.21-23. É a mensagem de João, o apostolo. Devemos crer naquilo que João diz a respeito de Jesus, devemos crer no Evangelho de João. E “crer” para que? Para que “tenham vida em seu nome”. “Nome” aqui faz referência a pessoa, no caso Jesus. Para o dicionário Michaelis On-Line, “vida” é: Espaço de tempo compreendido entre o nascimento e a morte do ser humano; duração das coisas; existência; ocupação, emprego, profissão.[3] Porém, em João, “vida” não tem nenhum significado quantitativo, mas sim qualitativo (“vida plena” cf. 10.10). “Vida” só tem aqueles que creem em Jesus e essa “vida” começa aqui e agora e invade a eternidade. Ela não acaba mais. O significado em João e bem diferente do significado do dicionário.

Para isso, devemos fazer as perguntas certas, que nesse caso são: “Qual a razão disto?” Devemos encontrar e seguir a linha de raciocínio do autor e entender “porque ele escreve tal ensino aqui, depois de ter dito isso?” As respostas a essas perguntas serão mais facilmente conseguidas quando aprendermos a reconhecer unidades de pensamentos.

 

Exercício I: Leia a epistolo de Paulo a Tito e responda as seguintes perguntas:

ü  O que são “boas obras” em Tito?

ü  Como surgem as “boas obras”?

 

Exercício II: Retomando a análise que fizemos de Judas, qual a relação dos exemplos citados nos versos 12 e 13 com os exemplos já analisados dos versos 5 a 7 e 11?

 

Exercício III: Leia Hebreus (pelo menos três vezes) e faça duas listas: uma com as partes argumentativas/explicativas e outra com as partes aplicativas.



[1] michaelis.uol.com.br/moderno/portugues/index.php?lingua=portugues-portugues&palavra=crer. Acessado em 10/08, as 10h36.

[2] MACHADO, Carlos Henrique. Continuando a ter vida: O quarto Evangelho escrito para cristãos. Revista Teológica do Seminário Presbiteriano do Sul (julho-dezembro 2006). Campinas, SP, p. 129.

[3] michaelis.uol.com.br/moderno/portugues/index.php?lingua=portugues-portugues&palavra=vida. Acessado em 10/08, as 10h39.