http://igrejaevida.com.br/modules/mod_image_show_gk4/cache/50 anos IPNCEgk-is-89.jpglink
http://igrejaevida.com.br/modules/mod_image_show_gk4/cache/TV IPNCE_banner_sitegk-is-89.jpglink
http://igrejaevida.com.br/modules/mod_image_show_gk4/cache/Encontro Jovemgk-is-89.jpglink
http://igrejaevida.com.br/modules/mod_image_show_gk4/cache/Culto_comunitrio_okgk-is-89.jpglink
«
»
Loading…

Treinamento - Igreja Presbiteriana de Novo Campos Elísios

Imprimir

Aula 2 Análise Histórica e Cultural

 

EXEGESE

Ele lhes disse: Por isso, todo mestre da lei instruído quanto ao Reino dos céus é como o dono de uma casa que tira do seu tesouro coisas novas e coisas velhas”.

Mateus 13.52 (NVI)

 

Um dos problemas de interpretação hoje é o que os estudiosos chamam de “exegese segmentada”, isto é, apenas uma pequena parte de um texto é trabalhado com a exegese. Corrigimos isso trabalhando a exegese de todo o texto. Realizamos este trabalho quando aprendemos a pensar exegeticamente. A chave para a boa exegese é aprender a ler cuidadosamente o texto e fazer as perguntas certas ao texto. Essas perguntas certas dizem respeito ao contexto e ao conteúdo.

 

1. ANÁLISE HISTÓRICA E CULTURAL

O contexto histórico é diferente de livro para livro e está relacionado com a época e a cultura do autor e dos seus leitores, ou seja, os fatores econômicos, geográficos, topográficos, sociais e políticos que são relevantes ao autor; e a ocasião do livro, carta, Salmo, profecia ou outro gênero literário. Esses assuntos são importantes para a correta interpretação. Um exemplo da importância dessas informações encontramos na parábola de Jesus em Mateus 20.1-16. O “denário” era o salário de um dia de trabalho na época, porém todos os trabalhadores, até mesmo aqueles que foram contratados na hora “undécima” (ARA), isto é, às 17h, receberam a mesma quantia. Esse foi o motivo do desagrado daqueles que trabalharam o dia todo. Porém, na argumentação do proprietário das terras, ele não foi desonesto, pois pagou o combinado (verso 2). Com isso, Jesus ensinou que o Reino de Deus não é conquistado com esforço próprio, mas é entregue por Deus e por isso os “últimos serão os primeiros, e os primeiros serão os últimos” (verso 16). Essa é parte da resposta dada ao desfecho do encontro de Jesus com o “jovem rico” (19.16-30) e é concluída com o ensino de como e porque o Reino é dado (20.17-19): através da morte e ressurreição de Jesus. Para obter resposta para a algumas dessas perguntas precisaremos de “ajuda externa”. Essa “ajuda” pode vir de um bom Dicionário da Bíblia.

A questão mais importante do contexto histórico está relacionada com a ocasião e o propósito de cada livro bíblico. A intenção é descobrir o que motivou e o que estava

acontecendo em Israel ou na igreja que gerou o escrito; ou qual era a situação do autor que o levou a escrever. A resposta a essas perguntas geralmente se encontra dentro do próprio livro. Um exemplo claro é 1Coríntios. Nesta carta Paulo escreve acerca da divisão na igreja (1Cor 1 – 4) porque recebeu informações a esse respeito (1.11). Também escreve sobre a imoralidade na igreja, porque recebeu informações (5.1). Por fim, escreve a segunda parte da carta (capítulos 7 a 15) respondendo questões enviadas pela própria igreja em carta (7.1; 8.1; 12.1 e 15.12). Pelas respostas de Paulo podemos inferir as perguntas e consequentemente a situação da igreja em Corinto naquele momento.

 

Exercício: Leia a epístola de Judas e responda as seguintes perguntas?

ü  Qual o motivo da epístola?

ü  Por que esse é o motivo?

ü  Qual ou quais era(m) o(s) resultado(s) desse(s) desse(s) ensino(s) errado(s)?