http://igrejaevida.com.br/modules/mod_image_show_gk4/cache/50 anos IPNCEgk-is-89.jpglink
http://igrejaevida.com.br/modules/mod_image_show_gk4/cache/TV IPNCE_banner_sitegk-is-89.jpglink
http://igrejaevida.com.br/modules/mod_image_show_gk4/cache/Encontro Jovemgk-is-89.jpglink
http://igrejaevida.com.br/modules/mod_image_show_gk4/cache/Culto_comunitrio_okgk-is-89.jpglink
«
»
Loading…

Treinamento - Igreja Presbiteriana de Novo Campos Elísios

Imprimir

Aula 6 Perícopes II

 

EXEGESE

ANÁLISE TEXTUAL – DELIMITAÇÃO DE PERÍCOPES (II)

 

EXERCÍCIO I: Analise, aponte e defenda os critérios de início de perícope do texto de Marcos 5.21-43.

            Os seguintes critérios indicam início de uma nova perícope:

  1. i.Tempo e espaço:Tendo Jesus voltado de barco para a outra margem” (5.21a)

Jesus deixou a região dos gerasenos (cf. 5.1) e voltou para a outra margem do lago (cf. 4.1). Essa mudança também implica em tempo.   

  1. ii.Actantes e personagens:[...] uma grande multidão se reuniu ao seu redor [...]” (5.21b) e “Então chegou ali um dos dirigentes da sinagoga, chamado Jairo” (5.22).

Dois novos personagens entram “em cena”: uma grande multidão e Jairo.  

  1. iii.Argumento:[...] e lhe implorou insistentemente: ‘Minha filhinha está morrendo! Vem, por favor, e impõem as mãos sobre ela, para que seja curada e que viva’.” (5.23).

Na perícope anterior (5.1-20) o argumento é o poder de Jesus sobre os demônios, agora passa a ser o poder de Jesus sobre a morte e enfermidade.

 

  1. 2.Critérios que indicam fim perícope[1]

Ao término da cena ou argumento, outros indícios nos informam que a conclusão está próxima.

  1. a.Tempo

As informações temporais também podem indicar que a ação narrada está acabando. Isso pode acontecer com a expansão do tempo, que dispersa nossa atenção (“ [...] e, quando toda a comunidade soube que Arão tinha morrido, toda a nação de Israel pranteou por ele durante trinta dias.” Nm 20.29) ou através do “tempo terminal” com o qual o autor encerra a narrativa (“Assim que comeu o pão, Judas saiu. E era noite.” Jo 13.30).

 

 

  1. b.Espaço

A narrativa pode sofrer um deslocamento do tipo partida (“Mas ele, fazendo-lhes sinal para que se calassem, descreveu como o Senhor o havia tirado da prisão e disse: ‘Contem isso a Tiago e aos irmãos’. Então saiu e foi para outro lugar”. At 12.17) ou por causa da extensão (“Então ele percorreu toda a Galiléia, pregando nas sinagogas e expulsando os demônios.” Mc 1.39).

  1. c.Actantes ou personagens

O número de personagens pode ser multiplicado a fim de obscurecer o foco (“Ele, porém, saiu e começou a tornar público o fato, espalhando a notícia. Por isso Jesus não podia mais entrar publicamente em nenhuma cidade, mas ficava fora, em lugares solitários. Todavia, assim mesmo vinha a ele gente de todas as partes.” Mc 1.45) ou reduzido, com o objetivo de provocar uma mudança na focalização (“Depois de Jesus ter entrado em casa, seus discípulos lhe perguntaram em particular: “Por que não conseguimos expulsá-lo?” Ele respondeu: “Essa espécie só sai pela oração e pelo jejum” Mc 9.28-29).

  1. d.Ação ou função do tipo partida

São ações ou funções expressas por verbos como sair, despachar e expulsar. Isso ocorre quando alguém sai de cena, separando-se dos demais personagens (“Sempre que o espírito mandado por Deus se apoderava de Saul, Davi apanhava sua harpa e tocava. Então Saul sentia alívio e melhorava, e o espírito maligno o deixava.” 1Sm 16.23).  

  1. e.Ação ou função terminal

São ações ou funções do tipo morrer, sepultar, bem como as reações decorrentes do episódio narrado, tais como orar, admirar-se, ficar angustiado, converter-se, temer, glorificar a Deus entre outros (Ao acabar de dar essas instruções a seus filhos, Jacó deitou-se, expirou e foi reunido aos seus antepassados. Gn 49.33).  

  1. f.Ruptura do diálogo

São freqüentes relatos que envolvem uma controvérsia e o último a falar é o herói (profeta, Jesus, apóstolo). Isso ocorre porque chegamos ao clímax da discussão. O protagonista do episódio profere uma palavra tida como final. Pode ser uma questão retórica que ficará aberta, uma citação da Escritura, ou um dito ao estilo sapiencial. Às vezes o autor acrescenta apenas uma breve conclusão redacional (“Então ele lhes perguntou: ‘Se um de vocês tiver um filho ou um boi, e este cair num poço no dia de sábado, não irá tirá-lo imediatamente?’ E eles nada puderam responder”. Lc 14.5-6).

  1. g.Comentário

Ocorre quando o narrador interrompe sua exposição para fazer alguma observação que dará sentido ao relato (“Mas o templo do qual ele falava era o seu corpo. Depois que ressuscitou dos mortos, os seus discípulos lembraram-se do que ele tinha dito. Então creram na Escritura e na palavra que Jesus dissera”. Jo 2.21-22) ou para expor o sentimento do personagem (“Mas Jesus não se confiava a eles, pois conhecia a todos. Não precisava que ninguém lhe desse testemunho a respeito do homem, pois ele bem sabia o que havia no homem.” Jo 2.24-25).   

  1. h.Sumário

Surge quando o autor interrompe a narrativa para apresentar, de modo resumido, aquilo que acabou de expor (“Ele proferiu essas palavras enquanto ensinava no templo, perto do lugar onde se colocavam as ofertas. No entanto, ninguém o prendeu, porque a sua hora ainda não havia chegado.” Jo 8.20) ou para abreviar o tempo e assim chegar logo ao episódio que interessa (“Então foi com eles para Nazaré, e era-lhes obediente. Sua mãe, porém, guardava todas essas coisas em seu coração. Jesus ia crescendo em sabedoria, estatura e graça diante de Deus e dos homens”. Lc 2.51-52).   

 

EXERCÍCIO II: Analise, aponte e defenda os critérios que indicam o fim da perícope do texto de Marcos 5.21-43. Onde termina a perícope? Por quê?

 



[1] Todos os critérios aqui apresentados estão em: SILVA, Cássio Murilo Dias da. Metodologia de exegese bíblica. São Paulo: Paulinas, 2000, pp. 72-73.