http://igrejaevida.com.br/modules/mod_image_show_gk4/cache/50 anos IPNCEgk-is-89.jpglink
http://igrejaevida.com.br/modules/mod_image_show_gk4/cache/TV IPNCE_banner_sitegk-is-89.jpglink
http://igrejaevida.com.br/modules/mod_image_show_gk4/cache/Encontro Jovemgk-is-89.jpglink
http://igrejaevida.com.br/modules/mod_image_show_gk4/cache/Culto_comunitrio_okgk-is-89.jpglink
«
»
Loading…
Imprimir

07 Restauração da Missão (Ed 7)

Ed 7.1-28

INTRODUÇÃO

            A vida humana necessita de sentido. Essa é uma peculiaridade da raça humana. Nunca encontraremos um gato, parado, refletindo sobre o sentido da vida. Os animas irracionais não agem assim. Eles não precisam de sentido. Nós precisamos. Quando uma pessoa não encontra sentido para sua vida, corre o sério risco de sofrer com a depressão e até mesmo cogitar o suicídio. Precisamos de algo que nos faça acordar de manhã, nos vestir, tomar o café e sair para cumprirmos nossas tarefas. Precisamos de sentido para nossas vidas. Usando uma analogia simples, ninguém conseguirá jogar uma partida de futebol usando uma panela de pressão como bola. Do mesmo modo, ninguém preparará um ótimo feijão usando uma bola de futebol. A bola foi criada para o futebol, da mesma forma que a panela de pressão foi criada para a preparação do alimento.

            Assim também é com a Igreja, que é um organismo vivo. A Igreja tem um motivo de existir, um porque viver. A vida da Igreja tem um sentido. Esse sentido está na missão dada a ela pelo seu Senhor. A missão da Igreja é anunciar o Evangelho de Jesus Cristo àqueles que estão afastados de Deus. Quando uma igreja local perde esse sentido de existência, ela entra em colapso, e deixa de ser útil e relevante onde está. Deixa de ser igreja. A Igreja só tem sentido de ser e existir quando cumpre sua missão no mundo: “anunciar as grandezas daquele que nos chamou das trevas para a sua maravilhosa luz” (cf. 1Pe 2.9).     

 

DESENVOLVIMENTO

            Continuando nossa série de pregação nos livros de Esdras e Neemias, hoje a mensagem será sobre a Restauração da Missão, pois a restauração passa necessariamente pela missão da igreja.

            De acordo com Esdras capítulo sete, dois pontos são importantes na restauração da missão.

 

  1. 1.Sacerdote – “[...] filho do sumo sacerdotes Arão”. 7.5b.

No Antigo Testamento o sacerdócio era estabelecido pela genealogia. Arão, irmão de Moisés, e seus descendentes, foram escolhidos por Deus para serem sacerdotes: “Chame seu irmão Arão e separe-o dentre os israelitas, e também os seus filhos Nadabe e Abiú, Eleazar e Itamar, para que me sirvam como sacerdotes” (Êx 28.1). O sacerdote é aquele que intermédia a relação de Deus com o povo. No Antigo Testamento ele era o responsável pelas ofertas e sacrifícios que o povo oferecia ao SENHOR.

No Novo Testamento há uma grande transformação. Primeiro porque Jesus é o Grande Sumo Sacerdote (“Pois há um só Deus e um só mediador entre Deus e os homens: o homem Cristo Jesus”. 1Tm 2.5). O livro de Hebreus ensina como nenhum outro a respeito do sacerdócio de Jesus: “Portanto, santos irmãos, participantes do chamado celestial, fixem os seus pensamentos em Jesus, apóstolo e sumo sacerdote que confessamos” (Hb 3.1); “Portanto, visto que temos um grande sumo sacerdote que adentrou os céus, Jesus, o Filho de Deus, apeguemo-nos com toda a firmeza à fé que professamos [...]” (Hb 4.14). Porém, Jesus não é sumo sacerdote segundo a ordem de Arão, mas segundo Melquisedeque: “Se fosse possível alcançar a perfeição por meio do sacerdócio levítico (visto que em sua vigência o povo recebeu a Lei), por que haveria ainda necessidade de se levantar outro sacerdote, segundo a ordem de Melquisedeque e não de Arão?” (Hb 7.11); “Porquanto sobre ele [i.e. Jesus] é afirmado: Tu és sacerdote para sempre segundo a ordem de Melquisedeque”. Essa é uma profecia do Salmo 110.4. Melquisedeque é um personagem que aparece em Gênesis 14.17-20. Hebreus 7.1-3 nos explica quem é esse Melquisedeque: Esse Melquisedeque, rei de Salém e sacerdote do Deus Altíssimo, encontrou-se com Abraão quando este voltava, depois de derrotar os reis, e o abençoou;e Abraão lhe deu o dízimo de tudo. Em primeiro lugar, seu nome significa “rei de justiça”; depois, “rei de Salém” quer dizer “rei de paz”.Sem pai, sem mãe, sem genealogia, sem princípio de dias nem fim de vida, feito semelhante ao Filho de Deus, ele permanece sacerdote para sempre”. O que isso significa? Significa que Arão e seus descendentes foram instituídos sacerdotes para o povo de Israel e Jesus foi instituído sacerdote para todas as nações. Porém, a transformação que acontece no Novo Testamento não para por aqui. O apóstolo Pedro escreve: “Vocês, porém, são geração eleita, sacerdócio real, nação santa, povo exclusivo de Deus, para anunciar as grandezas daquele que os chamou das trevas para a sua maravilhosa luz.Antes vocês nem sequer eram povo, mas agora são povo de Deus; não haviam recebido misericórdia, mas agora a receberam” (1Pe 2.9-10). Esse texto refere-se a Êxodo 19.5-6, quando o SENHOR fala ao povo de Israel: “Agora, se me obedecerem fielmente e guardarem a minha aliança, vocês serão o meu tesouro pessoal dentre todas as nações. Embora toda a terra seja minha, vocês serão para mim um reino de sacerdotes e uma nação santa [...]”. Refere-se também a Isaías 43.21: “[...] ao povo que formei para mim mesmo a fim de que proclamasse o meu louvor”. O que Pedro escreve com base em Êxodo e Isaías é que os seguidores de Jesus Cristo agora são sacerdotes de Deus para os outros povos.

Dessa doutrina bíblica surge na Reforma Protestante do século XVI a doutrina conhecida como “sacerdócio universal de todos os cristãos (ou crentes)”. Lutero entendeu que todo cristão é sacerdote de Deus e faz mediação entre Deus e aqueles que estão afastados de Deus. Isso é o cumprimento da missão! Representamos as pessoas diante de Deus intercedendo por elas e representamos Deus diante das pessoas anunciando o Evangelho. Somos sacerdotes. Sacerdotes segundo a ordem de Melquisedeque. Sacerdotes segundo a ordem de Jesus Cristo, o Filho de Deus.  

Vamos nos deter no texto de 1Pe 2.9-10 para entendermos melhor nossa missão: “Vocês, porém, são geração eleita, sacerdócio real, nação santa, povo exclusivo de Deus, para anunciar as grandezas daquele que os chamou das trevas para a sua maravilhosa luz.Antes vocês nem sequer eram povo, mas agora são povo de Deus; não haviam recebido misericórdia, mas agora a receberam”. Pedro ensina que somos:

  1. Geração eleita

A tradução “raça eleita” é melhor. Só Pedro a usa e ela procede de Isaías 43.20: “[...] para dar de beber ao meu povo, meu escolhido [...]”. Um povo que não era nada e agora passa a ser pela eleição de Deus. A ênfase está na origem/procedência da eleição. A base para tal declaração está em Deuteronômio 7.7-8: “Pois vocês são um povo santo para o SENHOR, o seu Deus. O SENHOR, o seu Deus, os escolheu dentre todos os povos da face da terra para ser o seu povo, o seu tesouro pessoal. O SENHOR não se afeiçoou a vocês nem os escolheu por serem mais numerosos do que os outros povos, pois vocês eram o menor de todos os povos. Mas foi porque o SENHOR os amou [...]”.   

  1. Sacerdócio real

Procede de Zacarias 6.13: “Ele mesmo edificará o Templo do SENHOR e será revestido de glória; assentar-se-á no seu trono, e dominará, e será sacerdote no seu trono; e reinará perfeita união entre ambos os ofícios”. Jesus nos faz reis e rainhas, sacerdotes e sacerdotisas do seu Reino.

  1. Nação santa

Procede de Êxodo 19.6: “[...] vocês serão para mim um reino de sacerdotes e uma nação santa”. A palavra para nação é usada na Bíblia para povo pagão ou gentio. Aqui Pedro ensina que este povo pagão, gentio, tornou-se santo pela ação de Deus. Encontramos essa transformação narrada em Oséias 1.10: “No lugar onde se dizia: ‘Vocês não são meu povo’, eles serão chamados ‘filhos do Deus vivo’”. 

  1. Povo exclusivo de Deus

Esse povo pertence a Deus, pois foi comprado por Ele, como o mesmo Pedro escreveu nesta mesma carta: “Pois vocês sabem que não foi por meio de coisas perecíveis como prata ou ouro que vocês foram redimidos da sua maneira vazia de viver, transmitida por seus antepassados, mas pelo precioso sangue de Cristo, como de um cordeiro sem mancha e sem defeito [...]” (1Pe 1.18-19).

 

Somo raça eleita, sacerdócio real, nação santa e povo exclusivo de Deus para que? Para nos sentirmos bem? Para ficarmos seguros que vamos para o céu? Para nos confortar diante desse mundo tenebroso (cf. Ef 6.12)? Não! Absolutamente não! Há um motivo muito claro para tais condições:

  1. “[...] para anunciar as grandezas daquele que os chamou das trevas para a sua maravilhosa luz”.

A ARA traduz “a fim de que”, ou seja, o que vem agora é o propósito de todas as condições narradas antes. O propósito é o anuncio (proclamação) das grandezas, ou seja, da bondade, misericórdia e graça de Deus que é aquele que nos chamou (i.e. tirou) das trevas e nos trouxe para a sua maravilhosa luz, conforme escreveu o apóstolo Paulo aos Colossenses (1.13): “Pois ele nos resgatou do domínio das trevas e nos transportou para o Reino do seu Filho amado [...]”. Não éramos nada, mas agora somos povo de Deus, não tínhamos recebido misericórdia, mas agora a recebemos. Fomos tirados das trevas para um único e exclusivo propósito: anunciar o Evangelho de Jesus Cristo, para que assim, aqueles que estão nas trevas, sejam chamados à maravilhosa luz.    

 

  1. 2.Escriba –Era um escriba que conhecia muito a Lei de Moisés dada pelo SENHOR, o Deus de Israel”. 7.6b.

Originalmente, os escribas eram homens que reproduziam o texto bíblico fazendo cópias escritas à mão. Após o exílio, passaram a ser conhecidos como aqueles que estudavam e ensinavam a Palavra de Deus, pois possuíam conhecimento para isso. No Novo Testamento são conhecidos como “mestres da Lei” (Lc 5.17) ou “interpretes da Lei” (Mt 22.35). Jesus foi reconhecido como um “Mestre da Lei”, ou Rabi no original (Jo 1.38; 3.2).

Esdras era um escriba, não apenas um copiador, mas um profundo conhecedor da Palavra de Deus. Ele chega a Jerusalém no dia 4 de agosto de 458 a.C. e passa a ensinar. Como escriba ele tinha decidido dedicar-se a estudar a Palavra de Deus, a praticá-la e a ensiná-la aos israelitas (cf. Ed 7.10).

  1. i.Estudar (buscar – ARA)

Esdras tinha decidido dedicar-se (“disposto o coração” = colocar o coração) a estudar a Palavra de Deus. Estudar aqui significa investigar, inquirir, buscar com aplicação e procurar com cuidado. Não apenas ler, mas estudar profundamente a Palavra de Deus.

Estamos acostumados com o que chamo de fast food evangélico. Uma leitura rápida e superficial, ou um estudo devocional rápido e prático. Como escribas e sacerdotes de Deus, precisamos estudar com afinco a Palavra de Deus.   

  1. ii.Praticar (cumprir – ARA)

A ideia aqui é fazer com as mãos, manufaturar, fabricar, agir e executar. O estudo anterior gera a prática da Palavra de Deus. Mt 7.24-29, Tg 2.14-26, Ap 1.3, 22.7.

  1. iii.Ensinar

Como resultado do estudo e da prática da Palavra de Deus, Esdras também a ensina, pois essa é a sequência normal. Aquilo que estudamos e praticamos, ensinamos, pois não podemos ensinar o que não sabemos e o verdadeiro ensino vem pelo exemplo (prática). É por isso que o apóstolo Paulo escreve: “Irmãos, sigam unidos o meu exemplo e observem os que vivem de acordo com o padrão que lhes apresentamos”. (Fp 3.17). Esdras pode ensinar, pois estuda e prática a Palavra de Deus.

PRÁTICA MISSIONAL

Como sacerdote e escriba, Esdras deveria “ministrar a justiça a todo o povo do território situado a oeste do Eufrates” (Ed 7.25) e ensinar a Palavra de Deus a todos aqueles que não a conheciam (Ed 7.25). A ARA traduz “julguem”, mas a tradução mais correta é a da NVI (“ministrar a justiça”), no sentido de fazer a justiça acontecer na região a oeste do Eufrates. As palavras de Artaxerxes nos ensinam acerca da nossa missão.

Em outubro passado, entre os dias 16 e 25/10, aconteceu na Cidade do Cabo (África do Sul) o III Congresso Lausanne de Evangelização Mundial. O nome procede da cidade suíça de Lausana onde aconteceu o primeiro congresso em 1974. O segundo, em 1989, aconteceu em Manila, Filipinas. Neste congresso, que reuniu mais de 4.000 líderes cristãos de todas as partes do mundo (198 países), foram discutidos alguns assuntos acerca da Igreja e de sua missão e um lema foi construído: “A Igreja toda, levando o Evangelho todo a todo o mundo”. Esse lema é resultado de anos de “lutas” e debates teológicos. O resultado foi o surgimento do que chamamos “Missão Integral”. No final do século XIX e início do século XX surgiu grande tensão entre aqueles que defendem o Evangelho Social e os Fundamentalistas. Estes defendiam a “volta aos fundamentos da fé cristã” e trabalhavam para a “salvação das almas”. Aqueles defendiam que o Evangelho deveria provocar “mudanças sociais”. Apenas mudanças sociais. Ambos não estavam errados, mas não estavam completos. Na metade do século XX essa tensão alcança a esfera política e os defensores do Evangelho Social assumem as trincheiras do comunismo, enquanto os Fundamentalistas passam para o lado do capitalismo. O resultado de tal missão foi a seguinte tensão nas últimas décadas do século passado: uma parte defendia a ação social enquanto outros defendiam apenas a evangelização. Nessa tensão surge o Movimento Lausanne ou Congresso Lausanne que ao final de sua primeira edição declara: “O Evangelho todo, para o Homem todo, para todos os Homens”. O conceito de missão que surge de Lausanne soma a ação social e a evangelização, resultando na Missão Integral. Missão Integral é o que encontramos em uma declaração na carta de Tiago (2.14-17): “De que adianta, meus irmãos, alguém dizer que tem fé, se não tem obras? Acaso a fé pode salvá-lo? Se um irmão ou uma irmã estiver necessitando de roupas e do alimento de cada dia e um de vocês lhe disser: ‘Vá em paz, aqueça-se e alimente-se até satisfazer-te’, sem porém lhe dar nada, de que adianta isso? Assim também a fé, por si só, se não for acompanhada de obras está morta”. Esse foi o modo como Jesus cumpriu sua missão. Em Mateus 11.4-5, ao responder aos discípulos de João Batista se ele era o Cristo, Jesus diz: “Voltem e anunciem a João o que vocês estão ouvindo e vendo: os cegos veem, os aleijados andam, os leprosos são purificados, os surdos ouvem, os mortos são ressuscitados, e as boas novas são pregadas aos pobres [...]”. Se somos sacerdotes e a nossa missão é a continuação da missão de Jesus (cf. Jo 17.18), devemos levar justiça e o anuncio das boas novas às pessoas, ou seja, o cumprimento da nossa missão deve gerar salvação e transformação na vida das pessoas e na sociedade.

Pranitha Timothy é uma jovem mulher que tem alguma dificuldade na fala, devido um câncer no cérebro. Porém, apesar de tal dificuldade, ela trabalha em uma organização cristã que livra pessoas da escravidão na Índia. Hoje, 29 milhões de pessoas são escravas no mundo. Dessas, 15 milhões são crianças. Ela e sua organização resgatam pessoas da escravidão e concede todo o apoio espiritual, financeiro, legal, emocional e psiquiátrico à essas pessoas. Isso é o Evangelho de nosso Senhor Jesus Cristo.

  

CONCLUSÃO

Como conclusão, deixo três pontos de reflexão e prática. Tome consciência de seu sacerdócio, aprofunde-se na Escritura e pratique seu sacerdócio e o ensino na Palavra de Deus.

  1. Pastorais
  2. Missionários
  3. Programações
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
Anterior Prximo

ALEGRIA!

18-02-2014 Hits:4256 Pastorais

“Alegrei-me quando me disseram: Vamos à Casa do SENHOR.” Salmo 122.1 O rei Davi era um homem segundo o coração de Deus. Como rei havia muita coisa a ser feita, muitos...

Leia mais...

IPNCE, UM PRESENTE DE DEUS!

18-02-2014 Hits:4125 Pastorais

Quando se fala em aniversário logo nos vem à mente festa, docinhos, bolo e claro, presentes. São poucos os que não gostam de festa e menos ainda são aqueles que...

Leia mais...

UM DESAFIO PERMANENTE

18-02-2014 Hits:4090 Pastorais

Quando conheci a Igreja de Novo Campos Elíseos ela era uma comunidade nova, com seus seis anos de vida. Corria o ano de 1970, e o Rev. Silas de Campos...

Leia mais...

O QUE FAZER E O QUE NÃO FAZER

18-02-2014 Hits:3860 Pastorais

Em muitas situações da vida nós cristãos somos atingidos por sérias dúvidas quanto à aprovação de Deus para algo que queremos fazer. Pensamos coisas do tipo: será que Deus quer...

Leia mais...

CRESCER EM TUDO

18-02-2014 Hits:3992 Pastorais

É com muita satisfação que, mesmo à distância, compartilho com os irmãos e irmãs da Igreja Presbiteriana Novo Campos Elíseos a alegria de completar meio século de existência.  Destes 50 anos,...

Leia mais...

IPNCE 50 ANOS!

18-02-2014 Hits:4292 Pastorais

“Recordo-me da sua fé não fingida, que primeiro habitou em sua avó Lóide e em sua mãe, Eunice, e estou convencido de que habita em você. Por essa razão, torno...

Leia mais...

27-09-2013 Hits:4415 Pastorais

Hoje encerramos a série de setembro baseada no Livro de Jó com o título: "DEUS NO SOFRIMENTO: Enfrentando o sofrimento pela fé".

Leia mais...

SOMENTE CRISTO!

16-03-2013 Hits:4573 Pastorais

       Vivemos nos últimos dias grande movimentação e entusiasmo por parte dos católicos romanos por causa da eleição do novo Papa. Neste contexto faz-se propício a explicação de...

Leia mais...

MORTES, REAÇÕES E LEMBRANÇAS

08-03-2013 Hits:4824 Pastorais

            Esta semana nosso país foi alarmado com duas mortes com grande repercussão: o presidente venezuelano Hugo Chávez e Chorão, líder da banda Charlie Brown...

Leia mais...

IPNCE 49 ANOS!

10-02-2013 Hits:4815 Pastorais

A segunda marca da IPNCE é a oração como podemos notar no trecho abaixo, continuação do texto apresentado no boletim passado: “Os primeiros frutos começaram a aparecer; o número de interessados...

Leia mais...

IPNCE 49 ANOS!

03-02-2013 Hits:4426 Pastorais

Uma das marcas da IPNCE é a evangelização. A evangelização como parte da missão da igreja é vital, pois a missão não é aquilo que a igreja faz, mas o...

Leia mais...

IGREJA

27-01-2013 Hits:4737 Pastorais

“Enquanto adoravam o Senhor e jejuavam, disse o Espírito Santo: ‘Separem-me Barnabé e Saulo para a obra a que os tenho chamado’. Assim, depois de jejuar e orar, impuseram-lhes as...

Leia mais...

DANILO E DEISE

13-02-2013 Hits:4540 Missionários

DANILO E DEISE

“Danilo e Deise Ladentim são missionários de tempo integral desde 2006. Formaram-se em 2 escolas de treinamento dentro da JOCUM: ETED - Escola de Treinamento e Discipulado e ETMIL -...

Leia mais...

PASTOR MARCOS JOSÉ VICTOR

13-02-2013 Hits:5264 Missionários

PASTOR MARCOS JOSÉ VICTOR

O Pastor Marcos trabalhou como seminarista em nossa comunidade e hoje pastoreia a Igreja Presbiteriana de Campo do Brito em Sergipe. Contato Rua Pedro Ribeiro da Silva, 106CEP 49520-000Campos do Brito –...

Leia mais...

TEREZINHA

13-02-2013 Hits:4288 Missionários

TEREZINHA

            O projeto de nossa irmã Terezinha é trabalhar na Angola. Ela já esteve no país em três oportunidades e hoje cursa o CFM (Centro de...

Leia mais...
Domingo               Segunda-feira            Terça-feira           Quarta-feira        Quinta-feira        Sábado                          
Culto Matutino
9h00

Escola Dominical
10h00

Culto Vespertino
18h30

Intercessão na Igreja
7h00

Encontro nos Lares
20h00

Oração na Igreja
20h00
SAF
14h30
Artesanato
14h30
Encontro dos Jovens
19:30

* Mais informações acesse:
Jovens IPNCE